domingo, 4 de julho de 2010

Aprender ou não.

A gente nasce livre e se aprisiona com o tempo.Aprende que nada nunca é, nunca se tem e nunca se é bom o suficiente.Aprende que pra ser feliz é preciso querer, sempre e até demais.Aprende que pra ser alguém tem que conseguir até o que não se deve.
A gente procura na vida um sentido e esquece que o sentido é a vida.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Na verdade

É que, na verdade, pessoas que dizem a realidade o tempo todo as vezes me magoam e fazem eu perder a esperança.Quem fantasia demais faz eu me sentir insegura e perder a confiança.
É que, assim como em todas as coisas do mundo, na verdade, também é preciso um meio termo.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

O que somos ?

Nós somos o que comemos,
o que falamos, o que pensamos
o que vivemos.

Nós somos pedaços de todos aqueles
que cruzaram o nosso caminho.

Nós somos partes das ideias perdidas,
esquecidas, repensadas e adaptadas a
seja lá o que estivermos vivendo.

Nós somos fragmentos de músicas,
de filmes, livros, brincadeiras e lembranças.

Nós somos um pouco do universo inteiro,
um pouco de água, fogo, terra e vento.

Nós somos tudo isso misturado por entre
milhões de átomos.
Ou talvez, nós seja-mos milhões de átomos
misturados por entre tudo isso.

sábado, 10 de abril de 2010

Infância ... infância

E já não sei se é certo afirmar que a minha infância foi solitária.Afinal quanto mais eu me afastava das pessoas,mais perdida dentro do meu próprio mundo ficava.E de solitário, esse mundo não tinha nada.Muito pelo ao contrario,esse era um dos mundos mais agitados que eu já havia visto até então. Nele eu era quem eu quisesse ser,morria nascia renascia milhões de vezes. Voar e viajar na magia dos pensamentos era lei.E qualquer coisa,qualquer mínimo detalhe que tivesse semelhança com o mundo real, me dava arrepios.O medo de um dia ter de abandonar esse meu mundo mágico para viver no mundo dito “real” era tão grande que so de pensar, me trazia calafrios dos pés a cabeça.
Mas quanto mais o tempo passa mais somos obrigados pela sociedade e pelas pessoas ao nosso redor a abandonarmos esse mundo que de certa forma, todos nos temos guardado em algum canto perdido da nossa cabeça.
E o tempo passou, e eu fui obrigada a transformar esse mundo que para mim era real, em um mundo secundário, transformá-lo apenas em um abrigo,um esconderijo, um refugio.E viver em um mundo que por mais diferente que sejam, todas as pessoas são iguais.E por mais diferentes os destinos escolhidos e traçados,de alguma forma todos eles se cruzam,todos eles estão interligados.

ah

Bom eu pensei muito no que escrever na minha primeira postagem, na verdade pensei não. Vou escrever o que vier na minha cabeça nesse exato instante.Eu acho sinceramente que as coisas deveriam ser sempre assim, o que escrevemos, o que falamos, o que fazemos.Fazer o que te der vontade na hora, mesmo que tu te arrependas depois.Por que o depois, ah o depois é tão distante, talvez o depois nem venha ... Enfim, se tu começar a perceber as coisas assim acho que tu vai ser bem mais feliz, ou não.
Afinal tudo é relativo e incerto. Não é ?